O conselho de medicina diante da saúde das mulheres

Órgão aprovou resolução que permite a profissionais de saúde realizar procedimentos sem consentimento de gestantes. Conselheiro afirma que aborto não é questão de saúde pública no país

Ativistas pelos direitos das mulheres e profissionais da saúde têm se mobilizado contra uma resolução oficial do Conselho Federal de Medicina e um artigo publicado na imprensa por um de seus integrantes. A entidade tem por função normatizar e fiscalizar a prática médica no Brasil.

Os posicionamentos são contestados, em resumo e respectivamente, por ferir a autonomia de mulheres gestantes e por ignorar a subnotificação do número de mortes por abortos clandestinos no país.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.