Ir direto ao conteúdo

O fotógrafo que removeu os celulares de cenas cotidianas

Com imagens nos EUA e países da Ásia, americano quis retratar a dependência gerada pelos smartphones

 

Além de serem parte da vida cotidiana, os smartphones e celulares se tornaram uma espécie de refúgio para muita gente.

Um estudo feito pela empresa de segurança digital Kaspersky em novembro de 2018 demonstrou que 79% dos brasileiros que usam celular admitem que usam o aparelho como uma forma de evitar conversas com outras pessoas.

O Comitê Gestor da Internet no Brasil apontou, em outubro de 2018, que, em média, o brasileiro passa nove horas conectado na internet diariamente. Isso o coloca na terceira posição do ranking mundial de países com maior tempo de tela, atrás apenas da Tailândia e das Filipinas.

Pensando em retratar a dependência gerada pelos smartphones, o fotógrafo americano Eric Pickersgill decidiu criar uma série de imagens nas quais removeu os celulares de cenas cotidianas. O site Quartz publicou algumas das fotos no dia 28 de agosto.

“O celular é um membro fantasma do corpo, usado como um sinal de que se está ocupado e indisponível, e existe como uma força viciante que promove a divisão da atenção entre aqueles que estão no mesmo espaço que você e aqueles que não estão”, diz a descrição do projeto.

Em seu site, Pickersgill conta que a ideia para as fotos surgiu quando ele estava em um café e viu um casal chegar com duas filhas. Ele conta que, na ocasião, as adolescentes passaram o tempo todo no celular, bem como o homem. O fotógrafo diz que se sentiu entristecido ao ver a mulher, que não tinha um aparelho em mãos, olhar entristecida para sua família em um momento que deveria ser de interatividade mútua.

 

Durante uma palestra no evento Ted, Pickersgill afirmou que os smartphones e a tecnologia podem conectar pessoas que estão distantes e aproximá-las, mas que também faz com que as pessoas que estão em um mesmo cômodo fiquem emocionalmente distantes uma das outras.

A série foi intitulada “Removed” (Removido, em livre tradução) e teve suas fotos feitas nos EUA. Pickersgill fez uma segunda série de fotos, passando pelo Vietnã, Mianmar, Indonésia e Cingapura, e está preparando uma terceira, feita inteiramente na Índia. Todas as imagens foram registradas entre 2014 e 2018 e estão disponíveis no site do fotógrafo.

O trabalho de Pickersgill já foi exposto na França, Reino Unido, Itália e por diversas cidades dos Estados Unidos.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: