O Gamergate 5 anos depois. E seu papel para a extrema direita

Em 2014, movimento que surgiu em fóruns online gerou uma onda de ataques misóginos e teve desdobramentos políticos que ainda ecoam nos EUA e no Brasil

    O Gamergate completou cinco anos em agosto de 2019. Travestido de debate sobre a ética no jornalismo de videogames, em 2014 o movimento se desenrolou em fóruns virtuais e se tornou uma onda de ataques misóginos nas redes sociais a  mulheres que fazem parte da comunidade gamer, como desenvolvedoras de jogos, jornalistas do setor e jogadoras.

    Com início em uma fofoca conjugal, o Gamergate teve impactos que foram além do universo dos games. Hoje o movimento é relacionado ao crescimento da extrema direita ao redor do mundo. Nos Estados Unidos, o líder da campanha de Donald Trump, Steve Bannon, disse ter usado o movimento como uma de suas inspirações para pensar a estratégia de Trump rumo à Casa Branca em 2016.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.