Como as queimadas na Amazônia podem afetar as cidades

Capitais como Porto Velho e Rio Branco enfrentam dias opacos e má qualidade do ar há semanas. São Paulo teve céu escuro no meio da tarde em 19 de agosto. Incêndios florestais contribuem para situação

 

Em Porto Velho, a fumaça se tornou um elemento do cotidiano. Graças a diversos focos de incêndio florestal, cidades do estado de Rondônia convivem com dias opacos e um ar de má qualidade. “Oh, fumaça, cadê meu céu azul?”, escreveu uma habitante da capital no Instagram. Em 16 de agosto, alunos e professores de uma escola pública da cidade protestaram usando máscaras contra a fumaça.

Durante 20 dias, a reserva ambiental Margarida Alves, em Porto União, a 370 quilômetros de Porto Velho, sofreu com incêndios. No dia 18 de agosto, o fogo foi finalmente controlado. Mil hectares foram destruídos, segundo o Corpo de Bombeiros local. Ao mesmo tempo, em Guajará-Mirim, em outra parte do estado, queimadas iniciadas em fazendas atingiram o Parque Serra dos Parecis.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.