Ir direto ao conteúdo

A desigualdade de acesso a empregos em SP mapeada neste site

Plataforma criada por pesquisadores faz cruzamento de informações da região metropolitana para mostrar como como a segregação espacial afeta as oportunidades de trabalho disponíveis

O projeto ReSolution (abreviação para “Resilient Systems for Land Use Transportation”) é uma plataforma digital que permite selecionar indicadores e temas e visualizar, em um mapa da região metropolitana de São Paulo, como diferentes grupos populacionais se distribuem na região.

Desenvolvido pelo Centro de Estudos da Metrópole da USP (Universidade de São Paulo), o site foi idealizado em 2004 e colocado no ar em 2019. De acordo com a sua descrição, “apresenta informações censitárias relativas a segregação e desigualdades socioespaciais”.

O portal apresenta 97 variáveis e indicadores de demografia, raça, imigração, religião, educação, renda e trabalho.

O destaque são os índices de acessibilidade e segregação elaborados para o projeto: o primeiro quantifica o acesso a postos de trabalho com base no local onde se mora e o transporte disponível, enquanto o segundo mostra o processo de segregação espacial.  

O acesso a oportunidades

O índice mede as oportunidades de emprego que moradores de diferentes áreas da cidade conseguem alcançar, considerando o tempo de viagem até o trabalho.

A partir dele, é possível estabelecer que um um morador do entorno do Masp, na Avenida Paulista, tem a seu alcance mais de 1,3 milhão de postos de trabalho, em um raio de distância que pode ser percorrido em 30 minutos utilizando transporte público.

Em comparação, em um raio de distância que pode ser percorrido nesse mesmo tempo, um morador do entorno do Conjunto Habitacional Inácio Monteiro, em Cidade Tiradentes, bairro da zona leste da capital, tem potencial acesso a pouco mais de 13 mil postos de trabalho – 100 vezes menos empregos.

O acesso a esses postos não depende unicamente da questão do deslocamento – envolve também atributos educacionais, por exemplo. Mas o índice ajuda a dimensionar o quanto o transporte pode prejudicar o acesso a emprego, sobretudo dos habitantes das periferias, dimensão importante da desigualdade social em metrópoles como São Paulo.

Os diferentes aspectos da segregação

Há várias maneiras de entender a segregação, e por isso a plataforma traz diferentes medidas do processo.

O site apresenta não só indicadores de segregação residencial mas também ocupacional, referente aos espaços de trabalho.

Um dos aspectos da segregação é o isolamento de um determinado grupo, seu contato consigo mesmo.

"Um dos exemplos emblemáticos que o Resolution mostrou é como a concentração residencial dos grupos mais ricos está nas áreas centrais, assim como seus espaços de trabalho", disse Flavia Feitosa, professora da Universidade Federal do ABC, ao Nexo.

Já no caso dos grupos mais pobres, há uma imagem invertida, com espaços de trabalho centrais e residências periféricas.

 

Embora esse fato não seja novo, a plataforma permite visualizar esse fenômeno detalhadamente, de maneira mais dinâmica, e explorar também, por outro lado, em quais bairros há maior contato entre grupos distintos.

Como a plataforma foi feita

Os indicadores da plataforma se baseiam no Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O levantamento dos tempos de viagem e os cálculos para os índices de acessibilidade foi feito a partir da Pesquisa Origem e Destino 2007 do Metrô de São Paulo. O trabalho ficou a cargo de uma equipe comandada por Mariana Giannotti, coordenadora de Transferência do  Centro de Estudos da Metrópole da USP e professora da Escola Politécnica da USP.

Já os índices de segregação foram elaborados pela equipe da pesquisadora Flávia Feitosa, professora da Universidade Federal do ABC. Estas duas frentes contaram com o apoio de uma equipe coordenada por Joana Barros, do Departamento de Geografia do Birkbeck, Universidade de Londres.

A colaboração foi financiada pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e pelo Economic and social Research Council do Reino Unido.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: