Este jogo para celular mostra os principais marcos do SUS

Aplicativo desenvolvido pela Fiocruz difunde serviços menos conhecidos que a rede oferece e destaca conquistas na saúde pública que ela promoveu

 

Desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz de Pernambuco, o jogo SuperSUS foi lançado na terça-feira (6) durante a 16ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em Brasília.

Gratuito e disponível para Android e em breve para iOS, o aplicativo quer difundir os direitos dos cidadãos na área da saúde pública e os serviços oferecidos pelo Sistema Único de Saúde que ainda são pouco conhecidos.

Em 12 fases, o jogador assume o papel do próprio SUS, e tem que vencer alguns desafios que tiveram que ser enfrentados pela rede pública de saúde brasileira durante a sua trajetória.

A cada etapa vencida, acumulam-se conquistas e atingem-se objetivos do SUS. Quando se perde, por outro lado, o jogo enfatiza os problemas gerados pela falta da rede.

No site do SuperSUS, há uma linha do tempo que sinaliza algumas conquistas da saúde pública obtidas após a criação do sistema. São marcos nos quais o jogo se inspirou, como o registro do último caso de poliomielite no Brasil, em 1989, e a criação do Sistema Nacional de Transplantes, em 1998.

O que ameaça o SUS

O SUS foi instituído pela lei nº 8.080, de 1990, que regula seus objetivos e atribuições, princípios e diretrizes, como ele se organiza, entre outros aspectos.

A existência de um sistema semelhante já era prevista pela Constituição de 1988, cujo artigo 196 determina que “a saúde é direito de todos e dever do Estado”, firmando a universalidade da cobertura do SUS. O artigo 198, por sua vez, trata de seu financiamento e da organização da sua rede, entre outros temas. 

Em 5 de agosto de 2019, dia nacional da saúde, um ato em defesa do SUS abriu a programação do segundo dia da 16ª Conferência Nacional de Saúde. Participaram da manifestação gestores públicos, profissionais, autoridades e usuários da rede de atendimento.

Uma das bandeiras centrais do ato, também tema de discussão na conferência, é a melhoria do financiamento da saúde. Ele reivindica o fim da Emenda Constitucional 95, de dezembro de 2016, que ficou conhecida como a PEC do teto dos gastos e que restringiu parte do orçamento público destinado à área da saúde e a setores como a educação.

“Dados da Organização Panamericana de saúde mostram o problema, e nós vemos no dia-a-dia a diminuição do atendimento, a volta de doenças que não existiam mais, demora maior nas consultas e exames e falta de medicamentos. Tudo isso é consequência da falta de financiamento do SUS”, disse à EBC o presidente do Conselho Nacional de Saúde, Fernando Pigatto, em agosto de 2019.

Em julho de 2019, o Ministério da Saúde rompeu contratos com laboratórios para a produção de 19 medicamentos, que deixarão de ser distribuídos gratuitamente pelo SUS. Mais de 30 milhões de pacientes dependem desses tratamentos.

 

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: