Este site é uma enciclopédia de antropologia

Assinados por pesquisadores, verbetes sintetizam obras, conceitos, figuras importantes e outros conhecimentos-chave da disciplina

 

A antropologia moderna surgiu no século 19 e estuda, em suma, a origem e o desenvolvimento das sociedades e culturas humanas. A disciplina é organizada em alguns subcampos, como a antropologia social, que analisa o comportamento das pessoas em sociedade, e a antropologia linguística, que estuda o ser humano a partir da linguagem.

Lançada no final de 2015 e ainda em construção, a Enciclopédia de Antropologia (EA) é uma plataforma hospedada no site da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (Universidade de São Paulo) que traz verbetes explicativos sobre autores, obras, conceitos, correntes, subcampos e instituições dessa área de conhecimento.

Os textos são assinados por pesquisadores e ordenados alfabeticamente, como em uma enciclopédia impressa. São sintéticos e escritos em linguagem acessível.

“O nome de batismo não deve dar a ilusão de totalidade ou completude. Ao contrário, trata-se de uma obra em permanente constituição, cujos destinos serão traçados em função das pesquisas e reflexões conjuntas”, diz a descrição da Enciclopédia de Antropologia.

Ainda segundo o site, o projeto é fruto da parceria entre alunos e professores do Departamento de Antropologia da USP e nasceu em sala de aula, estimulado por trocas e debates nos cursos de pós-graduação.

Entre os conceitos e livros já cobertos pela enciclopédia, estão as noções de gentrificação e gênero e obras clássicas como “O ensaio sobre a dádiva” (1923-1924), de Marcel Mauss, central para a disciplina, “Sexo e temperamento” (1935), de Margaret Mead, pioneira nos estudos das relações de gênero e “Sociedade contra o Estado”, de Pierre Clastres, que reflete sobre o poder.

A página da iniciativa no Facebook publica ocasionalmente um “verbete do dia”, com título, um trecho do texto e o link para o site.

O post mais recente da página, de 18 de julho, dá uma prévia da explicação dedicada à obra “Sobre o sacrifício”, ensaio dos antropólogos franceses Marcel Mauss e Henri Hubert publicado em 1899. O verbete é de autoria dos pesquisadores Rodrigo Valentim Chiquetto e Valéria Oliveira Santos.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: