Este mapa é um clássico da visualização de dados

Na década de 1850, o médico britânico John Snow explicou a transmissão de cólera em um estudo que também marcou a história da epidemiologia

Foto: Reprodução
Mapa elaborado por Jon Snow para visualizar a propagação de cólera em bairro de Londres
Mapa elaborado por Jon Snow para visualizar a propagação de cólera em bairro de Londres
 

Na década de 1850, o obstetra britânico John Snow foi responsável por produzir um conjunto de mapas que se tornou um marco da visualização de dados.

A ideia surgiu a partir de uma teoria sua, formulada em 1849, no artigo acadêmico pioneiro “Sobre o meio de contaminação da cólera”. Nele, Snow defendeu uma hipótese inovadora: a doença seria transmitida por meio daquilo que era “evacuado pelo canal alimentar”.

A cólera vinha atingindo o Reino Unido desde a década de 1830, causando surtos de diarreia severa e desidratação, e levando muitas pessoas à morte. Em seu artigo, Snow defendia que a doença estaria ligada à poluição do esgoto sobre fontes de água.

No geral, a comunidade médica da época acreditava que a cólera seria causada por meio de miasma, a emanação de ar pútrido de seres vivos em decomposição. Em meados da década de 1850, Snow teve a oportunidade de colocar sua teoria à prova.

Segundo informações publicadas em 2009 no site da revista Wired, especializada em ciência, tecnologia e comportamento, em 1853 surtos de cólera mataram mais de 10 mil pessoas em Londres. Em 1854, um novo surto matou 127 pessoas em um único dia, no distrito do Soho, e levou três quartos da população a deixar o local.

Snow percebeu que a maior parte das vítimas vivia perto de uma bomba d’água em uma via chamada Broad Street, e sugeriu a autoridades que inutilizassem a bomba,  o que foi feito de forma experimental. Quase que imediatamente, os casos deixaram de se propagar.

Não havia informações sobre qual seria a fonte de contaminação da água do poço. Um padre passou a investigar o caso e descobriu que uma mulher havia lavado as fraldas de seu bebê com cólera e em seguida despejado a água em uma fossa que estava vazando perto do poço.

Após coletar os dados, Snow criou um conjunto de mapas para ilustrar como os casos de cólera se concentravam no entorno da bomba. Sua forma simples de organizar as evidências sobre como a doença estava se propagando é considerada um marco da área de visualização de dados até hoje.

Em um artigo publicado em setembro de 1854 na revista acadêmica Medical Times and Gazette, Snow descreveu sua investigação:

“Eu descobri que quase todas as mortes tinham ocorrido a uma curta distância da bomba. Havia apenas dez mortes em casas situadas decididamente mais perto de uma outra bomba. Em cinco desses casos as famílias das pessoas mortas me informaram que elas sempre recorriam à bomba de Broad Street porque preferiam aquela água ao invés daquela das bombas mais próximas. Em três outros casos, os mortos eram crianças que iam à escola próximo à bomba de Broad Street. Sabe-se que duas delas bebiam daquela água, e os pais da terceira criança provavelmente faziam o mesmo. As duas outras mortes para além do distrito suprido por essa bomba representam apenas a quantidade de mortalidade por cólera que já estava ocorrendo antes de o surto ocorrer”

John Snow

Obstetra britânico, em artigo de 1854

 

 

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: