O rótulo literatura lésbica impulsiona ou limita as obras?

O ‘Nexo’ falou com três estudiosas ligadas ao tema sobre a pertinência da expressão e as representantes dessa literatura

Autora de “Amora”, livro de contos vencedor do Prêmio Jabuti em 2016, a escritora gaúcha Natalia Borges Polesso lançou em julho de 2019 seu primeiro romance, “Controle”. Publicado pela editora Companhia das Letras, o livro acompanha a vida da personagem Nanda da adolescência à idade adulta, entre os anos 1990 e 2000.

A obra é permeada por referências a músicas e discos da banda de rock inglesa New Order. Segundo disse Polesso ao Nexo, ele trata das tentativas da protagonista, que descobre ter epilepsia após sofrer um acidente de bicicleta, “de se relacionar com ela mesma, com o corpo dela, e com as outras pessoas” - entre elas, sua amiga Joana. Assim como “Amora”, “Controle” explora as nuances das relações homoafetivas entre mulheres.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.