Como cafés viraram espaço de mobilização de mulheres afegãs

Estabelecimentos abrigam debates sobre desigualdade de gênero, costumes tradicionais pós-Talibã e o futuro das negociações de paz com os EUA

 

Em Cabul, capital do Afeganistão, cafés têm se estabelecido como espaços seguros para mulheres jovens que não seguem costumes tradicionais ao menos desde 2016, quando novos estabelecimentos voltaram a surgir após atentados do Talibã a cafés em 2014.

Neles, elas podem criticar abertamente a desigualdade de gênero no país, debater política, não utilizar o véu e interagir com homens jovens sem juízo de valor, conforme relata reportagem feita em Cabul pelo jornal americano The New York Times.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.