Esta é a maior rede de iniciativas de divulgação científica no país

Projeto Science Vlogs Brasil, que reúne 48 canais sobre ciência no YouTube, é relançado com novos formatos de colaboração

 

Com cerca de 8 milhões de inscritos no YouTube e mais de 500 milhões de visualizações, o projeto Science Vlogs Brasil foi relançado nesta quinta-feira (16).

A rede, que reúne os principais canais de divulgação científica no YouTube, foi fundada em março de 2016, “como contraponto à onda de fake news e pseudociência”, segundo os organizadores. Com o relançamento, a plataforma pretende se expandir, atraindo novos colaboradores.

Nesta sexta-feira (17), o médico Drauzio Varella foi integrado à rede, como parceiro e patrono. "A teoria de Darwin vem sendo questionada. As pessoas estão discutindo se a Terra é plana. Diante disso, um movimento reúne os canais que zelam pela informação científica, verificada, comprovada para dialogar cada vez mais com a sociedade", postou.

Atualmente, 48 canais integram a comunidade, que abrange as chamadas ciências naturais (astronomia e física, por exemplo) e ciências humanas (história, arqueologia, antropologia, entre outros campos).

Os youtubers incluem estudantes, professores, jovens cientistas e jornalistas especializados em ciência. Além de Drauzio Varella, que possui 1,4 milhão de inscritos no seu canal no YouTube, entre os perfis mais populares estão:

  • Matemática Rio, de Rafael Procopio, especialista em ensino de matemática pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), com 1,5 milhão de assinantes
  • Schwarza - Poligonautas, de Junior Silva, autor de “Do Átomo Ao Buraco Negro” (ed. Planeta), com 896 mil assinantes
  • Canal do Pirula, de Paulo Miranda Nascimento, biólogo e doutor em zoologia pela USP (Universidade de São Paulo), com 798 mil assinantes
  • Ciência Todo Dia, de Pedro Loos, estudante de física da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), com 736 mil assinantes
  • Minutos Psíquicos, de André Rabelo, psicólogo e doutor em psicologia social do trabalho pela UnB (Universidade de Brasília),  com 681 mil assinantes

Para participar da rede, os interessados precisam ter produção de divulgação científica no YouTube e passar por um processo seletivo: primeiro, um grupo de especialistas na área divulgada avaliará os conteúdos já postados pelo canal; depois, a comunidade de canais parceiros também analisará a proposta.

Ao fim, os selecionados recebem o “selo” Science Vlogs Brasil.

 

“A expectativa é que esse processo continue a fomentar boas práticas de divulgação científica no país, sempre baseadas em evidências, e estimule a profissionalização dessa atividade num momento em que é cada vez mais necessário o conhecimento científico como ferramenta de cidadania e de formulação de políticas públicas”, diz a nota dos organizadores.

O que é divulgação científica

Desde 2016, canais de vídeo no YouTube (também chamados de vlogs) especializados em diferentes áreas do conhecimento proliferam na internet. Viralizam vídeos simples e dinâmicos, com linguagem acessível, alcançando um público jovem.

A própria viabilização da ciência depende da comunicação científica simples e bem sucedida – por isso o tema ganha cada vez mais importância nas universidades.

Divulgação científica é a difusão do conhecimento científico para públicos não especializados

Para a jornalista Sabine Righetti, pesquisadora e professora do Labjor (Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo) da Unicamp, o boom recente de iniciativas está associado à chegada de uma nova geração de cientistas mais sensibilizados à importância da divulgação científica.

Em entrevista ao Nexo, em maio de 2019, a pesquisadora defendeu que a divulgação seja encarada como parte integrante do processo da atividade científica, e não como algo acessório. "A disseminação dos resultados de um estudo para a sociedade deve estar prevista no começo do estudo", afirmou.

Righetti iniciou a hashtag #oquevinauniversidadepublica, incorporada por estudantes e professores universitários, para reunir relatos de atividades em suas respectivas instituições e dificuldades enfrentadas, após o anúncio inicial do ministro da Educação, Abraham Weintraub, sobre o contingenciamento de 30% do orçamento de universidades federais que seriam palcos de “balbúrdia”.

Outra hashtag popularizada foi #MinhaPesquisaMinhaBalbúrdia. No Facebook foi lançada a página @oquesefaznafederal.

Além de ações episódicas nas redes sociais, há outras iniciativas estruturadas atualmente, como manuais para mídias digitais, cursos, festivais, oficinas e programas de fomento para divulgação científica no país.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: