O projeto chinês de ‘retraduzir’ a Bíblia. E o cerco às religiões

Ações recentes do governo de Xi Jinping incluem derrubada de igrejas e prisão de clérigos

     

    Até 2022, a China pretende publicar uma nova versão da Bíblia, retraduzida, comentada e alinhada com as diretrizes comunistas, a fim de estabelecer uma “compreensão correta” do livro originalmente escrito em hebraico, aramaico e grego antigo.

    A tradução é parte do projeto do governo do presidente Xi Jinping, também secretário-geral do Partido Comunista Chinês, para “promover a cristandade chinesa”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.