Qual o papel das olimpíadas femininas de matemática

Olimpíadas femininas ajudam a combater barreiras como falta de incentivo, estereótipos de gênero e carência de modelos

 

A delegação brasileira que participou da 8ª Olimpíada Europeia Feminina de Matemática (EGMO), realizada entre 7 e 13 de abril de 2019 em Kiev, na Ucrânia, retornou ao país com um feito inédito: uma medalha de ouro, conquistada pela estudante gaúcha Mariana Groff, de 17 anos.

O Brasil obteve ainda dois bronzes, trazidos por Maria Clara Werneck, do Rio de Janeiro, e Ana Beatriz Studart, de Fortaleza, ambas de 17 anos. Na colocação geral, o Brasil ficou em 20º entre 49 países. A delegação é formada por quatro competidoras e duas líderes.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.