A consolidação da Sharia no Brunei. E as reações pelo mundo

Segundo a lei baseada em leitura radical do Alcorão, homossexualidade, adultério e aborto passaram a ser punidos por apedrejamento ou chibatadas até a morte no sultanato do sudeste asiático

 

Novas leis entraram em vigor no Brunei em 3 de abril de 2019. Segundo as seções atualizadas do Código Penal da Sharia do país do sudeste asiático, instituído pelo sultão e primeiro-ministro Hassanal Bolkiah, atos como sexo gay, adultério e aborto se tornaram crimes puníveis com apedrejamento até a morte.

A homossexualidade já era criminalizada no país, com pena de até 10 anos de prisão. Agora, Brunei é o sétimo país-membro das Nações Unidas a impor a pena capital para gays. Os outros são Arábia Saudita, Irã, Iêmen, Nigéria, Sudão e Somália, que também adotam a Sharia, que é um conjunto de preceitos legais baseados na interpretação radical das tradições islâmicas presentes no Alcorão.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.