Qual o impacto da crise do MEC nos estados e municípios

Entidades que representam secretários da educação cobram agenda em meio a demissões, vaivém e omissões do ministério

 

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira (8) a saída de Ricardo Vélez Rodríguez do Ministério da Educação. Ele indicou para seu lugar o nome de Abraham Bragança de Vasconcellos Weintraub, atual secretário-executivo da Casa Civil. Vélez é o segundo ministro demitido em três meses de governo – antes dele, Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência havia caído em fevereiro.

A gestão de Vélez no Ministério da Educação foi marcada por um quadro que une demissões em série, vaivém de decisões e, principalmente, paralisia. Sem experiência nas discussões sobre a área, o titular do MEC não conseguiu definir rumos para a pasta. Desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2019, protagonizou uma série de crises.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.