Ir direto ao conteúdo

Como é a árvore genealógica dos acadêmicos no Brasil

Plataforma Acácia já mapeou mais de um milhão de conexões científicas. Dados podem contribuir para estudos de sociologia e história da ciência

Foto: Plataforma Acácia
A árvore genealógica acadêmica de César Lattes
Ilustração da árvore genealógica acadêmica de César Lattes, um dos exemplos da Plataforma Acácia
 

O físico César Lattes (1924-2005), um dos mais importantes intelectuais brasileiros, possui ao menos 425 descendentes acadêmicos ao longo de cinco gerações, entre 1966 e 2017. São 7 “filhos” acadêmicos diretos, 75 “netos”, 193 “bisnetos”, 148 “trinetos” e 2 “tetranetos”.

O “filho” mais jovem é o físico Anderson Campos Fauth, atualmente professor do Instituto de Física da Universidade de Campinas. Lattes orientou a dissertação de mestrado de Fauth, defendida em 1986.

O levantamento da genealogia acadêmica de César Lattes é um dos exemplos da Plataforma Acácia, um projeto da Universidade Federal do ABC, na região metropolitana de São Paulo.

As informações são coletadas a partir da Plataforma Lattes, do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), que atualmente reúne mais de 6 milhões de currículos acadêmicos, de brasileiros e estrangeiros.

1.111.544

é o número de acadêmicos incluídos na plataforma

1.208.398

é o número de conexões acadêmicas mapeadas até agora

Pesquisadores da área de cientometria (a métrica da ciência) estão desenvolvendo algoritmos para identificar linhagens acadêmicas, a partir de dados sobre orientações de mestrado e doutorado no Brasil: orientadores são considerados “pais” ou “mães” de mestres e doutores orientados, que, por sua vez, podem gerar “netos” e dar continuidade à família acadêmica.

O que é a Acácia

Idealizada em 2016, a Plataforma Acácia lançou uma versão experimental em abril de 2018 e entrou no ar em março de 2019.

No site, é possível buscar informações individuais de pesquisadores e, no futuro, pretende-se facilitar o acesso a dados de departamentos, núcleos de pesquisa e universidades.

“Embora já possa ser consultada, a Plataforma Acácia continua em desenvolvimento”, afirmou à Revista Pesquisa Fapesp o coordenador do projeto, Jesús Pascual Mena Chalco, professor da UFABC, em março de 2019.

Além de Mena Chalco, o projeto conta com a participação dos doutorandos Luciano Rossi e Rafael J. Pezzuto Damaceno, do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, e do estagiário Thomaz Soares.

A proposta é disponibilizar dados que podem contribuir na produção de indicadores para, por exemplo, direcionar políticas públicas, mapear a interdisciplinaridade das áreas e medir a influência de cientistas e seus “herdeiros” intelectuais nas gerações seguintes. Também pode contribuir para estudos de sociologia e história da ciência.

“O termo ‘acácia’ é uma inspiração da árvore ‘acácia’, uma espécie nativa do sudeste australiano. O formato da copa desta espécie assemelha-se com os grafos de genealogia acadêmica identificados no contexto brasileiro, ou seja, são compactos em termos de altura, indicando que no Brasil a ciência é jovem (possui poucas gerações de doutores e mestres), mas largos, em termos de comprimento”, define o site.

Além dos dados colhidos no Lattes, o sistema pretende incluir 600 mil registros do banco digital de dissertações de mestrado e teses de doutorado da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e uma lista de integrantes da Academia Brasileira de Ciências, informou a Pesquisa Fapesp, em novembro de 2016.

Há exemplos de árvores genealógicas internacionais de economistas, matemáticos e neurocientistas. No Brasil, pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais estão desenvolvendo o projeto The Science Tree (árvore da ciência, em tradução livre), que pretende reunir informações de diversos países.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!