O incentivo oficial para que quartéis comemorem o golpe de 64

Presidente estimula que data que deu início a 21 anos de ditadura seja lembrada em unidades militares. Forças Armadas nunca fizeram mea culpa

     

    O porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Ramos, disse na segunda-feira (25) que o presidente Jair Bolsonaro determinou que haja “comemorações devidas” em quartéis e batalhões no domingo (31), em razão dos 55 anos do golpe militar, quando as Forças Armadas tomaram o poder e deram início a um período de exceção que durou até 1985.

    Para o porta-voz, “o presidente não considera o 31 de março de 1964 golpe militar”, mas uma reação apoiada pela sociedade contra uma alegada ameaça comunista. Nos bastidores, parte da cúpula militar do governo defende mais discrição na data. O temor é ampliação do desgaste da imagem do presidente.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.