Ir direto ao conteúdo

O que, quanto e para quem o Brasil exportou em 2018

Em sete gráficos, veja as particularidades das relações brasileiras com seus principais parceiros comerciais

Uma parte importante da economia do Brasil é destinada à exportação. O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no fim de fevereiro de 2019, mostrou que tudo o que o país produziu em 2018 somou R$ 6,8 trilhões.

As exportações, que são medidas em dólares, padrão no mercado internacional, fecharam o ano em US$ 239,9 bilhões. Levando em consideração o preço médio do dólar durante todo o ano de 2018, de R$ 3,67, o Brasil vendeu ao exterior aproximadamente R$ 880 bilhões, equivalente a cerca de 12% do PIB.

Em sete gráficos, o Nexo mostra os maiores compradores de mercadorias brasileiras, os principais produtos de exportação do país e as demandas desses mercados. Os dados são do antigo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, que depois da posse de Jair Bolsonaro passou a fazer parte do Ministério da Economia.

O que o país vendeu

 

A soja é o principal produto de exportação do país. Somente em grão puro, o Brasil vendeu ao exterior US$ 33 bilhões em 2018. Quando se considera os derivados, como o farelo ou o óleo, a conta chega a quase US$ 41 bilhões.

Situação parecida é a do petróleo. A maior parte do que o Brasil vende é em óleo bruto, mas derivados como combustíveis fazem a conta subir de US$ 25 bilhões para pouco mais de US$ 31 bilhões.

Quem comprou

 

A China comprou do Brasil em 2018 mais do que Estados Unidos e todos os países do Mercosul juntos. Comprou mais também do que todos os países da Europa. Ao todo, os chineses foram responsáveis por 28% das exportações brasileiras. Juntos, os quatro grupos representados no gráfico compraram 66% de tudo que o Brasil vendeu ao mundo em 2018.

O que os chineses compram

 

O maior parceiro comercial do Brasil é um comprador de commodities. Só de soja, a China comprou US$ 27 bilhões em 2018, valor pouco menor do que a soma de todas as exportações para os Estados Unidos. Os chineses compraram 82% da produção de soja brasileira no ano.

O que os americanos compram

 

As exportações brasileiras para os Estados Unidos são mais diversificadas que para a China. O produto mais exportado é petróleo bruto, que representa cerca de 10% da exportação total.

O que a União Europeia comprou

 

Para a União Europeia, o Brasil vendeu em 2018 pouco mais de US$ 42 bilhões, com uma pauta bastante diversificada. São 12 tipos de produtos diferentes com vendas superiores a US$ 1 bilhão no ano. Entre eles estão, além dos que foram representados no gráfico, suco de laranja e ouro, por exemplo.

O que o Mercosul compra

 

Os países vizinhos são os maiores compradores de produtos industrializados do Brasil. É importante para a indústria automotiva do país a parceria comercial com a Argentina, por exemplo. São 30 produtos com vendas superiores a US$ 1 bilhão, muitos deles da indústria automotiva. Além dos tratores rodoviários, representados no gráfico, há os tratores de rodas, colheitadeira, motores e chassis. O Brasil exporta também medicamentos, fios de cobre e tijolos.

A série histórica desde 1997

A série das exportações brasileiras nas últimas duas décadas ajuda a contar a história da economia brasileira no período. O crescimento da China e o aumento da demanda por commodities coincidem com um crescimento significativo do total exportado pelo Brasil nos anos 2000.

Em 2009, ano seguinte ao estouro da crise econômica mundial de 2008, o país perdeu 25% de suas exportações, mas logo se recuperou. A partir de 2011, com a queda do preço das commodities no mercado internacional, o Brasil, assim como outros emergentes, foi profundamente afetado.

O boom das exportações

 

O gráfico mostra os dados em valores nominais, ou seja, não considera a inflação do período. No entanto, como os valores estão em dólar, que tem desvalorização menor que o real, a distorção é menor. Por exemplo, a inflação acumulada no Brasil nos 21 anos representados no gráfico é de 274%. Enquanto isso, a americana foi de cerca de 56%.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: