Como a Black Friday está influenciando o consumo no Brasil

Números do IBGE mostram que vendas do varejo em novembro estão se aproximando às de dezembro. Total do ano de 2018 foi melhor que 2017

     

    As vendas no varejo brasileiro avançaram 2,3% em 2018 na comparação com o ano anterior. Os números, divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na manhã de quarta-feira (13) também mostram que houve uma queda de 2,2% no mês de dezembro em relação a novembro.

    O resultado mostra uma mudança nos hábitos de consumo do brasileiro nos últimos anos. Por causa do natal, historicamente, dezembro é o melhor mês para o comércio no ano, mas os últimos resultados mostram uma inversão na tendência.

    Os resultados de dezembro

     

    Até 2013, mesmo com o ajuste sazonal, na maioria dos anos houve crescimento entre novembro e dezembro, mas nos últimos cinco anos a tendência se inverteu. A queda em dezembro em 2018, no entanto, é a maior do período.

    A gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Isabella Nunes, aponta o crescimento da Black Friday como o principal motivo para a queda no último mês do ano. As maiores quedas aconteceram  em itens que tradicionalmente são vendidos no fim do ano como "móveis e eletrodomésticos", que caíram 5,2%, e "outros artigos", que inclui brinquedos, com uma queda de 4,2%.

    A Black Friday é uma tradição dos Estados Unidos que foi trazida para o Brasil em 2010. Lá é comemorada imediatamente após o feriado de Ação de Graças, quando as lojas vendem produtos com grandes descontos. No Brasil, consumidores chegaram a reclamar bastante de que as promoções eram enganosas e apelidaram a data de "Black Fraude", mas ela vem ajudando a aumentar as vendas do comércio em novembro.

    “[Os itens que caíram em dezembro] São atividades que cresceram fortemente em novembro e que agora devolvem parte da alta. (...) Dezembro sempre foi a grande festa do comércio, mas ao longo dos anos, com a consolidação da Black Friday, os patamares de vendas vêm se aproximando”

    Isabella Nunes

    gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE

    A queda entre dezembro e novembro não quer dizer que o comércio vendeu menos no Natal do que na Black Friday. Isso porque o índice divulgado pelo IBGE passa por um ajuste sazonal - uma conta feita para que os meses do ano, com suas diferentes características, sejam comparáveis.

    O que vem acontecendo nos últimos anos, com a Black Friday, é que as vendas em novembro vêm se aproximando cada vez mais das de dezembro. O movimento é perceptível no índice do IBGE que não tem ajuste sazonal. Quando o Black Friday começou no Brasil, em 2010, o volume de vendas em novembro correspondia a cerca de 75% do de dezembro. Em 2018, foi dez pontos percentuais maior.

    Black Friday mais próxima do Natal

     

    O ano de 2018

    Mesmo com a queda no último mês, 2018 apresentou crescimento no volume de vendas no varejo em relação a 2017. O avanço se deu, principalmente, graças a itens básicos de consumo. O setor de supermercados e alimentos, importante no índice, teve avanço de 3,8%. O que mais cresceu foram as vendas de artigos farmacêuticos.

    Crescimento entre 2017 e 2018 por grupo

     

    O crescimento de 2018 em relação a 2017 foi o segundo avanço anual consecutivo. Mesmo assim, o volume de vendas no varejo segue muito abaixo do patamar que tinha antes da crise econômica que começou, oficialmente, no segundo trimestre de 2014.

    Entre o início da crise e o final de 2017, as vendas no varejo chegaram a ter uma queda acumulada de 12,7%. Nos dois últimos anos o comércio recuperou apenas cerca de metade disso.

    Variação acumulada

     

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: