Qual o impacto do desastre sobre a saúde em Brumadinho

Estudo da Fiocruz afirma que rejeitos vazados sobre zona rural e rio Paraopeba podem levar a surtos de infecções como febre amarela e ao agravamento de doenças crônicas entre os atingidos

 

Neste segunda (11) completam-se 17 dias desde que o rompimento de uma barragem de rejeitos de minério de ferro da Vale provocou um desastre na cidade de Brumadinho, em Minas Gerais.

A tragédia, decorrente do vazamento de cerca de 8 bilhões de litros de lama sobre o município, destruiu casas, afetou plantações e zonas de criação de animais e poluiu um rio da região — o Paraopeba, na bacia do São Francisco —, deixando centenas de mortos e desaparecidos.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.