O Inferno de Dante em versão ilustrada e interativa

Estúdio italiano de design elaborou visualização para tornar obra acessível para um público maior

Temas
 

Em abril de 2018, um jornal italiano noticiou que o Papa Francisco havia negado a existência do inferno. A afirmação havia sido feita em um encontro privado com o cofundador do jornal La Repubblica, Eugenio Scalfari. Rapidamente, o Vaticano veio a público negar que o papa tivesse feito tal declaração. E confirmou que, sim, o inferno existe. Pelo menos para a doutrina católica.

Acreditando ou não na existência do inferno, ninguém nega a importância cultural de uma das mais famosas descrições do lugar para onde descem “aqueles que morrem em um estado de pecado mortal”. Publicado no século 14, o “Inferno”, do italiano Dante Alighieri, é uma das três partes de seu épico poema “A Divina Comédia” (as outras duas são “Purgatório” e “Paraíso”), considerado um marco literário do final da Idade Média.

Um estúdio italiano de design e comunicação visual elaborou uma versão ilustrada e interativa do Inferno, conforme descrito por Dante. O objetivo é tornar a obra acessível para um público maior. Além da visualização digital, foi produzida uma versão em papel.

A ilustração traz um corte transversal do Inferno, mostrando a antessala e os nove círculos descritos na obra de Dante. A visualização relaciona cada área com a parte do poema do autor italiano. Identifica também que tipo de pecador está designado para cada círculo: dos indecisos, que não fazem nem bem nem mal com medo de se prejudicar pessoalmente, aos traidores, os que ficam no círculo mais próximo de Lúcifer.

Por toda a ilustração, é possível clicar em personagens para ler o trecho do poema em que aparecem. A visualização está disponível em italiano e inglês.

Visão do inferno

A descrição do inferno feita por Dante é tão influente quanto a da Bíblia. Diversos pintores, como Botticelli e Salvador Dalí, retrataram o inferno com base no cenário imaginado pelo autor italiano.

“A Divina Comédia” foi concluída pelo autor em 1320. O poema contém 14.233 linhas. Dante era um estudioso da filosofia. Ao escolher uma associação profissional para se filiar, pré-requisito para que pudesse participar de atividades políticas, escolheu a Corporação dos Médicos e dos Boticários. Em Florença, na época, livros eram vendidos nesse tipo de estabelecimento.

No livro, o protagonista, também chamado Dante, se encontra com o poeta romano Virgílio. Este o conduz a uma viagem pelos três reinos dos mortos, começando pelo inferno, passando pelo purgatório e terminando no paraíso.

No inferno, os condenados recebem castigos de acordo com seu pecado: aqueles que ganharam dinheiro vendendo itens "divinos" com objetos ungidos e bens espirituais têm a parte de cima do corpo enterrada, restando-lhes balançar freneticamente as pernas no ar.

ESTAVA ERRADO: A primeira versão deste texto colocou o ano de 1320 como sendo a data de publicação de "A Divina Comédia", quando ele foi apenas concluído por Dante nesta data. Também se afirmava que ele era um "burocrata de Florença" e tinha ambição de ser boticário, informações incorretas. Outra informação retificada foi a de que o personagem do poema se encontrava com Virgílio "em sonho". Na versão original, faltava também especificar o tipo de fraude que aparece no exemplo. As correções foram feitas às 15h34 de 11 de janeiro de 2019.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: