Ir direto ao conteúdo

Os embaraços de Temer ao falar sobre as mulheres

Presidente reconhece ter feito comentário preconceituoso a Grace Mendonça, advogada-geral da União, depois de uma série de outras frases controversas durante seu mandato

    O presidente Michel Temer assumiu o poder em maio de 2016, em meio ao processo de impeachment de Dilma Rousseff. Ao apresentar a sua equipe ministerial, havia apenas homens. Foi a primeira vez desde 1982, no período João Figueiredo (1979-1985), que não havia nenhuma mulher no primeiro escalão do Executivo federal.

    Confrontado à época pela oposição e em entrevistas, Temer minimizou as críticas. Disse que estava buscando mulheres para compor os ministérios e afirmou que havia nomes que estavam no alto escalão, embora não com o título de ministra.

    Mais tarde, com mudanças na equipe, Temer nomeou duas mulheres: Grace Mendonça, advogada-geral da União (posto com o mesmo status de ministra), e Luislinda Valois, que foi ministra dos Direitos Humanos.

    Em dois anos e meio como presidente, Temer colecionou declarações controversas ao falar sobre as mulheres. A mais recente foi nesta quarta-feira (19), na última reunião com os ministros em seu governo, que chega ao fim em 31 de dezembro de 2018. Ele disse que Grace Mendonça é “o único homem no governo”. Logo em seguida o presidente disse: “uma coisa meio preconceituosa, né?”.

    Abaixo estão algumas falas de Temer que envolvem as mulheres, desde o início do seu governo.

    No Dia Internacional da Mulher de 2017, durante seu discurso, o presidente associou as mulheres às atividades domésticas e a cuidar dos filhos:

    “Ninguém mais é capaz de indicar os desajustes, por exemplo, de preços em supermercados do que a mulher. Ninguém é capaz de melhor detectar as eventuais flutuações econômicas do que a mulher”
    “Tenho absoluta convicção, até por formação familiar e por estar ao lado da Marcela [Temer, esposa], o quanto a mulher faz pela casa e o que faz pelos filhos. (...) E seguramente isso quem faz não é o homem, quem faz é a mulher”

    em discurso no dia 8 de março de 2017

    Em uma entrevista que Temer concedeu no mês seguinte ao SBT, o entrevistador comparou as contas públicas a uma dona de casa que não pode gastar mais que o marido ganha, senão “ela vai quebrar o marido”. Abaixo está a resposta que o presidente deu:

    “Acho que os governos agora precisam passar a ter marido, viu, porque daí não vai quebrar. (...) Você não pode gastar mais do que arrecada. É fazer como se faz na sua casa”

    em entrevista ao SBT veiculada no dia 28 de abril de 2017

    Com frequência, Temer menciona o fato de que ele era secretário de Segurança Pública de São Paulo quando foi criada a primeira delegacia do Brasil voltada às mulheres, em 1985. O presidente atribui a si o mérito da criação. O combate à violência contra as mulheres é um tema do qual ele trata recorrentemente:

    “Nossa sociedade não pode tolerar agressões contra as mulheres. Que este 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, nos alerte ainda mais para essa causa que é de cada um de nós”

    em tuíte no dia 25 de novembro de 2018

    Nesta quarta-feira (19), Temer fez uma reunião em tom de despedida com seus ministros, tecendo elogios à sua equipe. Ao se dirigir à advogada-geral da União, disse:

    “Eu não vou fazer uma brincadeira que o Moreira [Franco, ministro de Minas e Energia] faz sempre, mas, se me permite, Grace [Mendonça, advogada-geral da União], ele de vez em quando diz: ‘Nós temos um único homem no governo, que é a Grace’. Uma coisa meio preconceituosa, né? Porque a doutora Grace tem habilidade extraordinária no trato pessoal”

    em reunião ministerial no dia 19 de dezembro de 2018

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: