Por que o Brasil está investindo bilhões em submarinos

Lançamento do ‘Riachuelo’ aumenta capacidade de dissuasão da Marinha e aproxima o país de sua primeira embarcação movida a energia nuclear

 

O lançamento ao mar do submarino Riachuelo, na sexta-feira (14), em Itaguaí, no litoral do Rio de Janeiro, marcou a primeira de uma série de cinco entregas de embarcações semelhantes, num pacote estratégico da Marinha Brasileira que deve ser concluído em 11 anos.

Dos cinco submarinos a serem entregues até 2029, três terão, assim como o Riachuelo, propulsão convencional, à diesel. São eles: o Humaitá, com previsão para 2020; o Tonelero, para 2021; e o Angostura, para 2022. O último deles, batizado Álvaro Alberto, será também o primeiro submarino brasileiro movido a energia nuclear – Álvaro Alberto foi um dos pioneiros das pesquisas brasileiras da área.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.