A simbologia de prestar continência ao assessor americano

Saudação feita por Bolsonaro tem origem histórica incerta, mas é entendida como sinal de ‘respeito e apreço’ em decretos e manuais militares

     

    Jair Bolsonaro recebeu na quinta-feira (29) em sua casa, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton. Ao recepcionar o americano, o presidente eleito do Brasil colocou-se em posição de sentido e fez um rápido gesto, levando a mão direita espalmada à têmpora direita.

    A saudação, conhecida como prestar continência, é própria do meio militar. Bolsonaro é capitão reformado do Exército Brasileiro. Bolton, por sua vez, foi membro da Guarda Nacional em Maryland de 1970 a 1974. Em seguida, o americano foi membro da reserva do Exército, de 1974 a 1976.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.