A importância de ‘Parque Industrial’, 85 anos depois

Escrita na década de 1930 pela artista e ativista Patrícia Galvão, a Pagu, obra é considerada pioneira do romance proletário no Brasil

Temas
Foto: Wikimedia Commons
Foto da década de 1920 de Pagu
 

Nos primeiros dias de 1933, circularam em São Paulo, em tiragem modesta, cópias de “Parque industrial, um romance proletário”, obra assinada por uma desconhecida Mara Lobo.

O Brasil vivia o governo provisório de Getúlio Vargas, instituído em 1930 por um golpe de Estado. O Partido Comunista Brasileiro havia sido fundado em 1922 e, proibido pelo governo, mantinha-se na clandestinidade.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.