Como Bolsonaro usa livros para reforçar seu discurso

Seja posando ao lado deles, seja citando-os em programas de TV, seja criticando leituras de outros políticos, presidente eleito recorre à simbologia das obras

 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, tem nas transmissões ao vivo que faz pelas redes sociais um dos principais canais de comunicação com seu eleitor. Durante a campanha e depois dela, as “lives” do capitão reformado, com produção caseira, trazem muitas vezes ele sentado à mesa acompanhado de alguém de seu círculo político próximo ou da família e uma intérprete de Libras (língua brasileira de sinais). À vista, alguns livros.  

Nessas transmissões, Bolsonaro costuma ser mais contundente contra os adversários. Fala em acabar com o “comunismo” e faz ataques mais duros à imprensa. Os livros da mesa às vezes são citados nominalmente, às vezes estão ali apenas para reforçar seu discurso antiesquerda. Outras citações a obras foram feitas em programas de TV, como Roda Viva, da Cultura, e Jornal Nacional, da Globo. Abaixo, o Nexo lista oito deles e explica do que se tratam.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.