Qual o papel dos militares na democracia brasileira

Candidatos da reserva, intervenção no Rio e exaltação à ditadura alimentam onda de desinformação sobre o que fazem as Forças Armadas

 

A eleição presidencial de 2018 foi marcada por um protagonismo inédito dos militares na vida política brasileira desde o fim da ditadura (1964-1985). O sinal mais visível desse protagonismo foi a vitória do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL), e de seu vice, o general da reserva Antonio Hamilton Mourão, neste domingo (28).

Bolsonaro e Mourão não foram os únicos. Ao todo, 1.636 candidatos militares se lançaram na disputa eleitoral em 2018. Destes, 104 foram eleitos. O índice de sucesso foi de 6%. Em 2014, esse percentual foi de 1,7% — com 10 eleitos num universo de 709 candidatos militares. O aumento, de uma eleição para outra, foi de mais de dez vezes.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.