A representatividade feminina depois das eleições de 2018

Escolha de mulheres para ocupar cadeiras do Senado estacionou, assim como na chefia de governos estaduais. Na Câmara dos Deputados e nas Assembleias Legislativas, houve crescimento

 

O segundo turno das eleições de 2018 no domingo (29) teve como resultado a chegada de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência e a definição de governadores que restavam, em 13 estados e no Distrito Federal. Os outros chefes de executivos estaduais, assim como os parlamentares da Câmara dos Deputados, do Senado e das Assembleias Legislativas, já haviam sido definidos em 7 de outubro.

Para a representatividade das mulheres, que são 52% do eleitorado brasileiro, a ocupação dos cargos eletivos em disputa em 2018 teve o seguinte balanço na comparação com a eleição de quatro anos antes:

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.