A força e os limites de Lula. E seu papel na política agora

Bolsonaro põe fim à hegemonia do ex-líder operário. Personagem central pós-redemocratização está preso pela Lava Jato e vê antipetismo impulsionar onda de extrema direita no Brasil

 

Líder operário nas grandes greves do ABC Paulista no fim da década de 1970 e início da década de 1980, Luiz Inácio Lula da Silva foi um dos principais personagens em todas as oito eleições diretas para presidente realizadas após o fim da ditadura militar (1964-1985).

  • Perdeu três disputas, no segundo turno para Collor em 1989, e no primeiro para FHC em 1994 e 1998.
  • Venceu duas disputas no segundo turno contra tucanos na eleição de 2002 e na reeleição em 2006.
  • Como cabo eleitoral, garantiu duas vitórias de Dilma Rousseff, na eleição de 2010 e na reeleição de 2014.
  • Mesmo preso, foi central para Fernando Haddad chegar ao segundo turno em 2018. Mas perdeu a eleição.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.