Por que a ‘ameaça comunista’ ainda é usada na eleição

Termos da Guerra Fria ressuscitam fora de contexto em campanhas de candidatos como Doria e Bolsonaro

 

O comunismo ruiu na Alemanha Oriental em 1989 e na União Soviética em 1991, mas a “ameaça comunista” ainda é usada como arma eleitoral por parte dos candidatos que disputam cargos no Brasil.

Em 2018, o discurso foi usado por vários políticos, com destaque para Jair Bolsonaro (PSL), que lidera a disputa pela Presidência da República, e João Doria (PSDB), que lidera a disputa pelo governo do estado de São Paulo.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.