As ações judiciais em universidades na eleição. E seus efeitos

Muitas vezes acompanhadas de agentes policiais, operações incluíram retiradas de faixas e vetos a eventos, mesmo sem qualquer relação direta de apoio a candidatos

     

    A pretexto de coibir propaganda política irregular, a Justiça Eleitoral realizou ações, algumas acompanhadas de força policial, dentro de 17 universidades públicas em todo o país desde terça-feira (23). Elas incluíram retiradas de faixas e vetos a eventos.

    As decisões de intervenção nas universidades vinham sendo tomadas por juízes eleitorais nos estados, que, no geral, veem prejuízo ao candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. No sábado (27), a ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia suspendeu qualquer decisão que interfira no ambiente acadêmico.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.