A localização do crânio de Luzia após o fogo no Museu Nacional

Com 13 mil anos, peça é considerada o crânio mais antigo das Américas, e é usada para questionar teorias da ocupação do continente

 

Na noite de 2 de setembro de 2018, um incêndio de grandes proporções atingiu o Museu Nacional, uma instituição subordinada à Universidade Federal do Rio de Janeiro e localizada na zona norte da capital fluminense.

As chamas arderam por seis horas, consumindo a maior parte dos 20 milhões de itens da instituição, entre eles documentos, artefatos culturais, amostras biológicas e fósseis, coletados por pesquisadores ao longo dos 200 anos da instituição científica mais antiga do país.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.