Como poder público e sociedade reagem à violência na eleição

Relatos de agressão, inclusive com casos de assassinato, aumentaram durante a campanha do segundo turno

Desde que teve início a campanha eleitoral do segundo turno entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, cresceu o número de relatos de violência relacionada à política no Brasil. É o que aponta um estudo da FGV (Fundação Getúlio Vargas) do Rio de Janeiro, com base em monitoramento de posts nas redes sociais.

Entre a noite de 7 de outubro (dia do primeiro turno) e a tarde de 12 de outubro, o número de relatos de agressão com motivação política mais do que dobrou no Twitter, comparando com o total dos 30 dias anteriores da campanha. Alguns casos tiveram repercussão nacional, com investigações policiais ou no Ministério Público. Outros permaneceram como relatos pontuais nas redes, sem providências legais.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.