Como o turismo étnico dá protagonismo ao patrimônio negro

Turismo étnico-afro ou afroturismo tem sua base em comunidades como quilombos e valoriza tradição, visão de mundo e cotidiano de grupos historicamente marginalizados

 

Incentivado por políticas públicas do governo federal a partir do início dos anos 2000, o turismo étnico é hoje um instrumento importante para a autossuficiência de algumas comunidades quilombolas no país e de valorização do patrimônio histórico, cultural e natural de populações negras e indígenas.

O tema está no radar de ativistas políticos e parlamentares. Eleita deputada estadual de São Paulo em 2018, Érica Malunguinho tem como uma de suas propostas o incentivo ao “turismo social em quilombos e territórios indígenas como estratégia de combate ao racismo, proteção, visibilidade e economia sustentável”.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.