A discussão sobre direito à imagem no metrô de SP

Concessionária que administra a Linha 4-Amarela é alvo de ação civil pública pela instalação de câmeras nas portas automáticas. Cerca de 700 mil pessoas usam o serviço diariamente

     

    Desde abril de 2018, a Linha 4-Amarela do metrô de São Paulo conta com um novo sistema de monitoramento nas portas que dão acesso aos trens. Conhecida por “portas digitais”, a tecnologia consiste em um sensor que, equipado com uma câmera de reconhecimento facial, fornece um relatório em tempo real sobre o comportamento dos usuários.

    Sua aplicação, contudo, tem sido controversa. Comunicada ao público cinco dias antes da data prevista para começar a funcionar, a novidade tem por finalidade direcionar a publicidade no interior das estações.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.