Candidatos e museus: antes e depois do incêndio no Rio

Somente dois dos 13 postulantes ao Palácio do Planalto trataram diretamente em seu plano de governo da preservação de locais como o Museu Nacional, que teve o prédio e seu acervo destruídos pelo fogo

 

O último presidente a visitar o Museu Nacional, localizado há 200 anos na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio, foi Juscelino Kubitschek (1956-1961). Há tempos longe dos olhares e das agendas oficiais das principais autoridades do país, o espaço voltou ao radar em razão de uma tragédia: foi consumido pelo fogo no domingo (2).

O incêndio foi controlado depois de seis horas e a causa ainda é investigada. O museu, inaugurado por d. João 6º em 1818, tinha um acervo de 20 milhões de peças de valor documental e científico, o que fazia do local o maior museu de história natural e antropológica da América Latina. A extensão precisa dos danos ainda está sob avaliação da direção do Museu Nacional.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.