O debate sobre o direito de educar crianças em casa

Pais e educadores aguardam decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a regulamentação do ensino domiciliar. O ‘Nexo’ conversou com dois especialistas sobre o tema

     

    Educação domiciliar, ou “homeschooling”, é um assunto que vem ganhando repercussão nos últimos anos. Atualmente, a opção de educar crianças em casa é defendida por uma diversidade de personagens: de grupos de tendência progressista, que questionam o anacronismo e a rigidez da escola tradicional, a conservadores e militantes de direita, para quem o ensino caseiro protege os pequenos de supostas “ideologias” erradas que seriam transmitidas na sala de aula.

    Nesta semana, o STF (Supremo Tribunal Federal) deve decidir se este tipo de prática é permitida no Brasil. Atualmente, estima-se que 7 mil famílias tenham aderido ao ensino dentro de casa, de acordo com número divulgado da Aned (Associação Nacional da Educação Domiciliar). Dependendo do que votar o Supremo, todas elas terão de voltar a matricular seus filhos em uma escola.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.