Como a imigração venezuelana testa os países vizinhos

Fechamento de fronteiras, restrição aos serviços de saúde e exigência de passaporte estão entre políticas restritivas impostas por líderes sul-americanos

 

Aproximadamente 2,3 milhões de venezuelanos haviam abandonado o próprio país entre janeiro de 2014 e junho de 2018 na direção de países vizinhos, como Colômbia e Brasil, ou de países próximos, mas não fronteiriços, como Equador e Peru, de acordo com as Nações Unidas.

Esse fluxo migratório – provocado pela crise política, econômica e humanitária que a Venezuela atravessa – foi classificado pelo secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), o uruguaio Luis Almagro, como “o assunto mais grave do hemisfério”. De acordo com ele, essa situação, que já é “desesperadora”, “pode piorar” ainda mais nos próximos meses.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.