Quem é a pesquisadora ameaçada por sua atuação no debate sobre aborto

Com atuação reconhecida mundialmente, antropóloga e professora da UnB Debora Diniz está sob programa de proteção do governo federal

     

    Em 2016, o nome da antropóloga Debora Diniz figurou entre os cem pensadores globais de destaque daquele ano na revista Foreign Policy por sua campanha em defesa do direito de mulheres com zika abortarem. Um ano antes, a mestre da faculdade de direito da UnB (Universidade de Brasília) havia sido homenageada em um evento para professores da Unesco, braço educacional da ONU (Organização das Nações Unidas). Autora de livros sobre temas de saúde pública, Diniz já ganhou um Jabuti por seu livro “Zika: do sertão nordestino à ameaça global”.

    Os três exemplos acima dão uma medida do alcance, dentro e fora do país, do trabalho de Diniz no âmbito da saúde pública, em especial com relação à mulher. A pesquisadora coordena a ONG Anis - Instituto de Bioética, que promove direitos reprodutivos das mulheres no contexto da ética e da bioética.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.