Ir direto ao conteúdo

A educadora que foi a primeira cartógrafa mulher dos Estados Unidos

Precursora de uma educação intelectualmente estimulante para meninas no país, Emma Willard foi a primeira de seu gênero a criar mapas

    Emma Willard (1787-1870) foi uma educadora americana, defensora dos direitos de meninas e mulheres à educação, em uma época em que o acesso feminino à instrução ainda era restrito.

    Foto: Wikimedia Commons
    Willard é autora do primeiro atlas histórico dos Estados Unidos
     

    Em 1814, ela fundou sua própria escola para meninas na cidade de Troy, no estado de Nova York. A Emma Willard School permanece em atividade até hoje.

    “Ela foi pioneira na educação de meninas, tirando seu foco nos ‘charmes da juventude e beleza’ e transferindo-o para cursos intelectualmente estimulantes e rigorosos de matemática, geografia, história, ciência e filosofia”, descreve o site da escola.

    Willard também é autora do atlas “A series of maps to Willard’s History of the United States, or, Republic of America” (Uma série de mapas de Willard para a História dos Estados Unidos, ou República da América), feito para escolas e bibliotecas privadas e publicado pela primeira vez em 1828. Trata-se do primeiro atlas histórico dos Estados Unidos.

    Segundo o site Boston Rare Maps, que inventaria, compra e vende mapas americanos antigos, Willard é a primeira cartógrafa mulher dos Estados Unidos.

    Foto: Reprodução
    Folha de rosto do atlas de Willard
     

    Em um artigo sobre o atlas de Willard, do site da publicação literária The Paris Review, o autor Ted Widmer destaca a sofisticação do pensamento visual da educadora.

    Os mapas

    O atlas da americana traz doze mapas, começando pelo introdutório “localização e migrações de tribos indígenas”.

    Foto: Reprodução
    Mapa introdutório do atlas de Willard
     

    “Embora povos nativos americanos tivessem sido representados em mapas americanos desde muito tempo, este foi o primeiro mapa impresso a documentar as migrações desses povos ao longo do tempo”, destaca o site Boston Rare Maps.

    Nove mapas mostram o país nos anos de 1578, 1620, 1643, 1692, 1733, 1763, 1776 e 1789, e, por fim, no “presente” (da cartógrafa). Neles, Willard usa cores para ilustrar elementos temáticos, insere mapas em detalhe, em escala maior, e ilustra momentos icônicos da história americana.

    Abaixo, o Nexo reproduz cinco desses mapas.

    Foto: Reprodução
    Mapa 1 (1578)
    Foto: Reprodução
    Mapa 2 (1620)
    Foto: Reprodução
    Mapa 3 (1643)
    Foto: Reprodução
    Mapa 4 (1692)
     

    Nesses mapas, há uma narrativa linear da exploração, colonização, povoamento, desenvolvimento político e expansão territorial do que se tornou os Estados Unidos.

    Foto: Reprodução
    Mapa 5 (1733)
     
    “Esta preocupação com a dinâmica visual do aprendizado e com a importância da geografia alimentaram o interesse de Willard pela cartografia. Ela achava que os mapas [existentes] não davam conta de transmitir a complexidade, visualizar a nação e ajudar estudantes a ganhar uma visão mais ampla do passado. Mapas situavam a história, ela argumentava, e essa fisicalidade e ênfase no espaço iriam estimular a memória”

    Susan Schulten

    Historiadora e professora da Universidade de Denver

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: