As cidades masculinas erguidas pelo urbanismo do século 20

Análise do clássico livro ‘Morte e vida de grandes cidades’, da jornalista e ativista Jane Jacobs, revela uma dinâmica urbana feita a partir do olhar do homem

 

O urbanismo que prevaleceu no século 20 privilegiou o carro e contribuiu para a segregação social, vieses apontados à exaustão em estudos e análises. Mas ele também pensou e organizou as cidades a partir de um olhar masculino, com áreas centrais destinadas ao trabalho e aos negócios, protagonizados pelos homens, e bairros e subúrbios em que as mulheres ficavam cuidando da casa e dos filhos.

Embora esse modelo, retratado em um seriado de época como “Mad Men”, tenha registrado seu maior desenvolvimento nos Estados Unidos, ele se repetiu ou tentou ser emulado em países ricos e pobres de todo o mundo como ideal de cidade.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.