Os milhões desviados por Pinochet e agora recuperados pelo Chile

Depois de 14 anos de investigações, Corte Suprema determina que a família do ditador devolva dinheiro desviado dos cofres públicos

     

    A Corte Suprema do Chile decidiu, por quatro votos a um, que os bens e aplicações financeiras que eram mantidos em contas secretas nos EUA pelo ditador Augusto Pinochet devem ser devolvidos aos cofres públicos do país sul-americano.

    A decisão, tomada em sessões realizadas nos dias 19 e 20 de junho, em Santiago, diz respeito a valores que, de acordo com a Justiça, foram desviados ilegalmente por Pinochet e por pessoas ligadas a ele ao longo do tempo em que o general comandou uma das ditaduras militares mais violentas da América Latina, entre os anos 1973 e 1990. Pinochet morreu em dezembro de 2006, aos 91 anos.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.