Como o governo tenta garantir o desconto do diesel nos postos

Ministério da Justiça editou portaria obrigando o repasse de desconto e comerciantes ameaçam contestar medida no Supremo

     

    Para encerrar a paralisação de caminhoneiros que causou uma crise de abastecimento no país no fim de maio, o governo federal aceitou custear um desconto de R$ 0,46 por litro de óleo diesel. A aplicação do desconto deve sair de uma conta complexa que envolve corte de impostos e subsídio a ser pago à Petrobras e às importadoras de combustíveis.

    O governo aceitou tirar dinheiro de outras áreas, incluindo saúde e educação, para subsidiar o diesel, mas toda a engenharia financeira feita só garante um preço mais baixo nas refinarias, não necessariamente aos caminhoneiros. Dez dias depois do anúncio feito pelo presidente Michel Temer e cinco dias depois da redução nas refinarias, caminhoneiros reclamam que o desconto não chega integralmente ao posto.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.