Mais de 7.000 desenhos do artista Edvard Munch estão disponíveis on-line

Museu Munch de Oslo detém boa parte da obra do pintor célebre pelo quadro ‘O Grito’. Instituição está começando a digitalizar o acervo com apoio de fundação

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

     

    O Museu Munch de Oslo, na Noruega, dedicado ao artista norueguês Edvard Munch (1863-1944), disponibilizou on-line mais de 7.600 desenhos do pintor de “O Grito” em seu site. O acesso às imagens é livre para qualquer uso.

    Trata-se de um catálogo raisonné (publicação que cataloga todas as obras conhecidas de um artista) digital dos trabalhos em papel de Munch. Os desenhos datam de 1873, quando ele tinha 10 anos, a 1943, um ano antes de sua morte.

     

    Munch desenhava sem parar e praticamente em qualquer lugar, disse o diretor do museu, Stein Olav Henrichsen, ao site The Art Newspaper.

    Entre as obras, há estudos para alguns dos quadros mais conhecidos de Munch, como o próprio “O grito”. Há trabalhos dos cadernos de rascunho do artista em seus anos de formação. Há naturezas mortas, cachorros, paisagens e retratos que permitem acompanhar o amadurecimento do estilo de Munch.

    Foto: Museu Munch
    'Abraço', trabalho feito a lápis entre 1936 e 1942
     

    Para Henrichsen, tornar as obras públicas era essencial porque elas permitem um “mergulho profundo no processo criativo do artista”.

    Viabilizada pela Bergesen Foundation, organização filantrópica da Noruega, a digitalização das obras deve prosseguir para outros formatos além dos desenhos.

    Edvard Munch

    Nascido e criado na Noruega, Munch recebeu um breve treinamento formal para a pintura, mas foi predominantemente autodidata. Prolífico, deixou mais de 1.500 quadros, milhares de aquarelas, desenhos, gravura, escultura, trabalhos de gráficos e de cenografia.

    Foi ligado aos movimentos simbolista e surrealista, exibiu suas obras em toda a Europa, influenciou artistas e, com isso, a trajetória do modernismo em países como França, Alemanha e a própria Noruega.

    Foto: Museu Munch
    'Beijo', lápis, 1896
     
    Foto: Museu Munch
    'Na praia', trabalho em aquarela e carvão feito entre 1940 e 1942
    Foto: Museu Munch
    'Casa vermelha e abetos', aquarela, de 1942-1943
     

    Ficou famoso logo no início de sua carreira por suas representações da angústia humana, segundo a descrição de uma exposição do artista no Museu Metropolitan, de Nova York. Revisitou com frequência temas de seus primeiros anos de carreira, explorando-os com intensidade e inspiração renovadas.

    “A fama de Munch recai desproporcionalmente sobre a familiaridade global de uma única imagem”, disse Philip Hook, especialista em arte moderna e Impressionismo da Sotheby’s, multinacional que realiza leilões de arte, entre outros objetos de luxo, ao Art Newspaper.

    Foto: Museu Munch
    'Retrato masculino', lápis, 1935-1940
     

    Para ele, o acesso a trabalhos menos conhecidos do artista é importante para uma compreensão mais aprofundada da obra e pode também estimular o interesse comercial por ela no mercado de arte.  

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.