Por que o Brasil não tem documentos da ditadura. E os EUA têm

Conversa entre a cúpula do regime militar brasileiro aparece em memorando dos americanos, mas, aqui, os registros são escondidos ou destruídos

Veio à tona na quinta-feira (10) a informação de que o general que presidiu o Brasil de 1974 a 1979, Ernesto Geisel, ordenou pessoalmente o seguimento de uma política de execução sumária de adversários políticos da ditadura militar.

Embora diga respeito à mais alta autoridade do Executivo brasileiro à época, a informação – crucial para a compreensão da história do país – não estava em um arquivo nacional, mas num bloco de documentos que foram tornados públicos pelo governo dos EUA.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.