Ir direto ao conteúdo

BbyMutha, a rapper que fala de sexo e maternidade

Americana nascida no Tennessee diz que escolheu seu nome para se apropriar da ideia do que é ser uma mãe solteira

     

    Nascida na cidade de Chattanooga, no estado americano do Tennessee, e criada principalmente pela sua mãe, Brittnee Moore é mãe solteira de dois pares de gêmeos.

    Enquanto grande parte dos artistas de música pop destaca traços de si mesmos ligados à juvenilidade, Moore faz questão de destacar também a maternidade em suas letras, e se apresenta como a rapper BbyMutha.

    Ela teve sua carreira impulsionada em agosto de 2017, quando lançou o clipe de “Rules”, faixa em que dá dicas para mulheres sobre pontos a se considerar ao escolher o cara com quem vão transar.

    Ela continua em grande medida classificada como parte do “underground do rap”, mas entre suas distinções está ter tido uma de suas músicas tocadas pela islandesa Björk em um DJ Set.

    Lançada em fevereiro de 2018, sua mixtape mais recente se chama “Muthaz Day 2” e está disponível em plataformas como Soundcloud e Spotify.

     

    O início da carreira

    Em entrevista concedida em 2017 à revista americana focada em música The Fader, BbyMutha diz que sempre manteve o hábito de escrever, incentivada pela sua mãe evangélica. Ela diz que descobriu o interesse pela performance aos 11 anos, em uma apresentação na escola.

    Ela teve seus primeiros filhos, um par de gêmeos, quando tinha 17 anos, mas eles não têm proximidade com o pai, que ela classifica como um “pedófilo”. Depois, mudou-se para a cidade de Nashville, onde viveu com outro namorado e começou a estudar moda.

    Em entrevista concedida em janeiro de 2018 à revista focada em moda e comportamento para adolescentes Teen Vogue ela lista Jimi Hendrix e a rapper Lil Kim entre suas influências de moda, e que na época vinha se interessando pelo estilo cybergoth.

    O relacionamento acabou, no entanto, após o namorado bater nela, a ponto de a rapper pensar que tinha morrido. Ela voltou a Chattanooga, mas teve novos encontros com o ex-namorado abusador, e engravidou de seu outro par de gêmeos.

    Foi nesse contexto, em 2013, que aconteceu a sua primeira colaboração musical, com o produtor LSDXOXO. Em uma faixa intitulada “Black Widow”, BbyMutha fala sobre uma mulher revoltada com o marido que a trai.

    Ela diz “dedo do anel, dedo do meio, dedo do gatilho/coçando”. No refrão descreve uma cena sangrenta: “Olá, operador, acho que acabo de matar meu marido/Bala na têmpora, sangue por todos os lados/Você pode me encontrar no nosso quarto”.

    BbyMutha diz que a canção foi inspirada no relacionamento abusivo que tinha na época. “[No começo] Eu pensava: “ele é maluco e ele é maldoso, mas ele não é assim comigo”. Eu me sentia protegida, até que ele passou a ser daquele jeito comigo. E ele estava saindo com outras garotas, além de ser abusivo”, afirmou em sua entrevista.

    Por que “BbyMutha”

    BbyMutha afirma que a ideia para seu nome artístico lhe ocorreu em uma ocasião em que engravidou de um homem que mantinha um relacionamento também com outra mulher. Na internet, essa outra mulher caçoava dela, chamando-a de “babymama”, uma expressão em inglês de origem jamaicana usada frequentemente no rap para se referir a mães solteiras.

    O homem a convenceu a fazer um aborto. Ela foi para a clínica sozinha e, quando voltou para casa, viu fotos no site Tumblr dele e da outra mulher fazendo um churrasco. “Parecia que eles estavam comemorando o fato de que eu tinha me livrado do bebê. As pessoas não sabem o peso sobre a sua saúde mental, especialmente se você não tem amigos com filhos. Às vezes você se sente sozinha.”

    Ela decidiu que queria se apropriar da ideia do que é ser uma mãe solteira. “Ser uma ‘baby mama’ não é a pior coisa do mundo. Eu quero que mães solteiras se orgulhem, tipo, é isso aí, gata você está conseguindo.”

    Maternidade e sexo

    Em muitas de suas letras a rapper fala tanto sobre maternidade como sobre vida sexual e afetiva com homens. A capa de seu EP BbyShoe, de 2018, mostra uma versão sua como Marge Simpson, ao lado de um Homer negro e mais quatro crianças. Em sua entrevista à The Fader, ela diz que fala sobre esses assuntos porque essa é a sua vida:

    “Eu sou uma mulher crescida, e eu esperei um tempão para ser uma mulher crescida e poder fazer o que eu quisesse. Eu não estou disposta a deixar meus filhos me dizerem que eu não posso fazer alguma coisa só porque eles são meus filhos [risos]. Contanto que eu não os coloque em perigo ou os machuque, eu ainda tenho o direito de ser eu mesma. Ainda sou humana e não apenas a mãe de alguém.”

    Em sua entrevista à Teen Vogue, afirmou: “Eu quero que meus filhos saibam que eles podem ser quem eles quiserem. Meu pai gosta de dizer para eles que eu não sou uma adulta.... De uma forma que me incomoda, mas, também, adultos são chatos”.

    Sexo, por uma mulher

    BbyMutha se tornou alvo de críticas on-line pela sua canção “Rules”, em que diz “Você não pode dar sua xota para um cara que não está acostumado a conseguir xota porque sua xota vai virar assunto de todo mundo”. Ela avalia que o teor da letra não é muito diferente das faixas sobre sexo feitas por rappers homens, mas que eles não têm que lidar com o mesmo tipo de crítica.

    “Quando as vadias de quem os caras falam fazem músicas, nós temos que calar a boca? Por quê? Toda história tem dois lados e se os caras querem fazer músicas sobre foder então nós temos de fazer músicas sobre sermos fodidas”, afirmou à The Fader.

    3 trechos de 3 faixas de BbyMutha

    'BBC', do EP 'BbyShoe', de 2018

    “Agindo como uma criança - eu tenho quatro

    Eu não estou tentando competir com vocês, suas vadias bobas

    Reclamando sobre roupas, odiando do lado de fora do clube

    Porque eles me dão amor.”

     

    'Indian Hair', do EP 'Weave', de 2017

    “Eu só estou tentando fazer um cara bonitinho pecar, tanto faz

    ‘Baby daddy’ não me aguenta

    Essa vadia também não, então somos uma grande família

    Vou estar em cima das mesas quando eles falarem sobre dançar

    O corpo como a vela de um jantar, romântico”

     

    'Lilith', da mixtape 'Muthaz Day 2', de 2018

    “Eu não preciso de um cara que não consegue me ligar quando está sóbrio

    Cara, você não vai ficar pagando pau pra mim por causa da minha sacola cheia

    Colocando o lixo pra fora, cara, eu não estou na sua”

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: