Argentina em crise: como o FMI socorre os países atualmente

Sem dólares, governo Macri pediu empréstimo na linha mais tradicional do fundo e recebeu críticas da oposição. Organismo internacional atuou fortemente na América Latina no passado e ficou conhecido por impor ajustes

 

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, anunciou na terça-feira (8) que começou a negociar com o FMI (Fundo Monetário Internacional) um acordo para que o país receba ajuda financeira. A Argentina vem enfrentando nas últimas semanas uma grave crise cambial, com o dólar acumulando uma alta de 22% em 2018 frente ao peso.

A equipe econômica de Macri tentou conter, sem sucesso, a valorização da moeda americana com aumento de juros e venda de dólares no mercado. Desde janeiro, o governo gastou cerca de US$ 7 bilhões. Com as reservas, de cerca de US$ 50 bilhões, baixando rapidamente, Macri foi à TV anunciar que o FMI era a saída para proteger o salário no mercado interno.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.