Ir direto ao conteúdo

Por que livros escritos por mulheres são mais baratos, segundo este estudo

Pesquisa levou em conta mais de 2 milhões de livros publicados por editoras tradicionais e independentes na América do Norte

     

    Na América do Norte, livros escritos por mulheres custam, em média, quase a metade (mais precisamente, 45% a menos) do preço cobrado pelos livros escritos por homens. É o que revela um artigo publicado dia 9 de abril no jornal científico Plos One. 

    O estudo, realizado pela socióloga Dana B. Weinberg e pelo matemático Adam Kapelner, levou em conta mais de dois milhões de livros publicados na América do Norte ao longo de uma década, entre 2002 e 2012. O artigo não especifica em quais países a pesquisa foi aplicada.

    Os pesquisadores são do Queens College, que pertence à Universidade da Cidade de Nova York, nos EUA.

    Além de verificar a disparidade no valor estipulado para títulos de autoria feminina e masculina, a pesquisa comparou “mecanismos de discriminação e desigualdade em editoras tradicionais e independentes”.

    O fenômeno do custo mais baixo de livros escritos por mulheres é comparável, segundo o estudo, à desigualdade salarial no ambiente de trabalho, onde mulheres ganham menos que homens.

    No Brasil, não há levantamento de dados semelhantes, segundo informou ao Nexo a assessoria da CBL (Câmara Brasileira do Livro). A CBL realiza anualmente a Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro - FIPE.

    Quais as descobertas

    O estudo identificou três fatores que fazem com que, no mercado editorial norte-americano, livros escritos por mulheres “valham menos”.

    • discriminação por alocação: a distribuição desigual de autoras e autores nas diferentes categorias de livros
    • discriminação por valoração: a desvalorização de categorias que predominantemente têm mulheres como autoras
    • discriminação no trabalho ("within-job"): preços mais baixos cobrados por livros escritos por mulheres em relação a homens autores dentro de um mesmo gênero literário

    Editoras tradicionais x publicação independente

    Segundo a análise dos pesquisadores, esses mecanismos levam a uma desigualdade menor nos preços das publicações independentes (sinônimo, no artigo, para autopublicação, em que autores disponibilizam suas obras em plataformas como a Amazon sem a mediação de uma editora tradicional).

    Nesse setor, livros escritos por mulheres têm preço 7% menor em relação aos títulos de autores homens.

    De acordo com o estudo, porém, a discrepância menor em relação aos 45% apresentados pelas editoras tradicionais se deve, principalmente, ao fato de que há uma variação menor de preços nas publicações independentes. 

    “Embora seja mais igualitária, a publicação independente replica largamente os padrões de discriminação de gênero das editoras tradicionais”, diz o estudo.

    Segundo a pesquisa, designação de preço das publicações independentes imita a segmentação já existente do mercado tradicional e ao valor mais baixo atribuído ao trabalho considerado “tipicamente feminino” e às trabalhadoras mulheres. 

    O estudo lembra que editoras tradicionais determinam quais títulos serão publicados, a classificação quanto ao tema e o preço de varejo.

    Homens e mulheres nos gêneros de livros

    Uma das tabelas anexadas ao estudo (de título “gender distribution and average maximum price per book by genre” – distribuição de gênero dos autores e preço máximo médio de livro por categoria de livro) mostra que livros escritos por mulheres prevalecem, tanto em publicações de editoras quanto independentes, em categorias como culinária, artesanato e hobbies, família e relacionamentos.

    No total, os homens também foram mais publicados: são autores de 45% dos títulos (mulheres assinam 26% deles e 29% são de autores de gênero indeterminado, já que a designação de gênero feita pelo estudo se baseou no nome do autor).

    O estudo menciona ainda que, em geral, livros cujo autor tem nome feminino recebem investimentos ligeiramente menores, na média, de editoras. Por essa razão, é menos provável que sejam publicados em formatos mais caros de se produzir e distribuir.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!