Ir direto ao conteúdo

Os tributos de Kate Bush a Emily Brontë. E o diálogo entre música e literatura

Personagens literários povoam as canções da compositora inglesa de voz marcante, que estourou no final dos 1970, aos 19 anos

    Temas
     

    Em 1978, a canção “Wuthering Heights”, da cantora e compositora inglesa Kate Bush, chegou à primeira posição do “Official Singles Chart” do Reino Unido, lista oficial de singles mais vendidos da semana.

    Permaneceu no topo por um mês e tornou Bush a primeira artista mulher a alcançar o primeiro lugar do ranking britânico com uma música de autoria própria.

     

    O hit leva o nome do romance da escritora inglesa Emily Brontë, “O Morro dos Ventos Uivantes”, publicado em 1847 sob o pseudônimo Ellis Bell. Trata-se do único romance da autora, que morreu no ano seguinte, aos 30 anos. É um clássico da literatura de língua inglesa.

    Além da admiração pela obra da autora, que serviu de inspiração para a letra de “Wuthering Heights”, Bush e Brontë compartilham a mesma data de aniversário: 30 de julho.

    Nova homenagem

    A pedido do festival literário de Bradford, cidade no norte da Inglaterra, Bush escreveu um texto sobre Emily Brontë que será gravado em uma pedra, instalada, a partir de julho de 2018, na estrada entre o local de nascimento das irmãs Brontë, em Thornton, próximo a Bradford, e a casa da família em Haworth, em Yorkshire.

    Outros artistas foram convidados a escrever sobre as irmãs. A poeta Carol Ann Duffy é autora do trecho dedicado a Charlotte Brontë, o poeta Jackie Kay escreveu sobre Anne Brontë e Jeanette Winterson ficou responsável pelo texto que trata do legado das Brontë como um todo.

    Bush disse à BBC que o convite para escrever sobre a autora foi uma honra e uma chance de agradecer a ela.

    Bush e a literatura

    Outras canções da compositora, como “The Sensual World”, inspirada pela fala de uma personagem de “Ulisses”, de James Joyce, também fazem “adaptações” literárias.

    “Uma das marcas registradas de Bush é que ela escreve letras que permitem a ela se colocar em situações ficcionais e, de uma certa maneira, tornar-se outra pessoa e contar histórias dessa perspectiva”, escreveu a pesquisadora da Universidade de Utrecht Kiki Drost, na tese “Stepping out of the Page: Song Adaptations of Literature by Kate Bush”.

    Segundo o trabalho, a compositora retira os personagens dos textos que lhe servem de fonte, adaptando-os em relação ao seu contexto original e dando-lhes uma voz diferente, “libertando-os” dos textos que lhes deram vida. 

    “Wuthering Heights” foi inspirada pelo livro de Brontë, mas o interesse de Bush pela obra foi capturado, em primeiro lugar, por uma cena de uma adaptação em filme, feita pela BBC em 1967. Foi uma cena de Catherine Earnshaw, heroína da obra, na janela, que a levou a ler o livro.

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: