O que é IPTU progressivo. E como tem sido sua aplicação em São Paulo

Previsto em lei federal, mecanismo busca evitar que donos de imóveis os deixem subutilizados. Em entrevista ao ‘Nexo’, o arquiteto Renato Cymbalista avalia a eficácia da aplicação do imposto na cidade

 

Na madrugada de terça-feira (1), o edifício Wilton Paes de Almeida pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, no centro de São Paulo. O prédio de 24 andares pertencia à União e foi sede da Polícia Federal até 2001. Desde então, o governo não vinha sendo capaz de garantir um uso apropriado a ele, mesmo cedendo-o provisoriamente à prefeitura no final de 2017.

Abandonado, o edifício vinha sendo ocupado há anos por mais de 170 famílias que pagavam aluguel a um grupo chamado LMD (Luta por Moradia Digna). Há ao menos 70 ocupações no centro da cidade, nem sempre com participação de movimentos sociais e outros grupos organizados.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.